As tentativas de desligar a internet

Tentativas de desligar a internet tem sido cada vez mais frequentes. Alguns países optam por filtrar conteúdo ao invés de bloquear como a Rússia.

Categoria de Artigos

Postado em 05 outubro 2023

Atualizado em 05 outubro 2023

Palavras-chave: bloqueio,internet,russia,china,egito,primavera.arabe,censura,desligamento

Visualizações: 1198



Recentemente, muitas entidades públicas tem mostrado uma posição contrária a liberdade total da internet. De certo modo, muita informação na internet já é filtrada nos grandes sistemas de buscas. Os sites que podem ser encontrados a partir de algum sistema de busca representa apenas uma pequena porcentagem do que realmente existe na internet. A internet profunda é a camada obscura da rede mundial de computadores e abriga sites que não podem ser acessados nos sistemas de busca ordinários, mas podem ser acessados diretamente.

O acesso à sites pode ser limitado de várias formas, algumas delas são:

  • Bloqueio do acesso em uma determinada área como cidade ou país
  • Finalizar o fornecimento do site

O bloqueio de um determinado site em uma determinada área não é uma tarefa fácil e na maioria das vezes é realizado nos provedores de internet (ISP). Em alguns países, o protocolo de DNS é envenenado com informações ilegítimas, recusando a solicitação de acesso ou redirecionando o usuário para outro site. Problemas de DNS podem ser evitados digitando o endereço IP diretamente no navegador do usuário. Porém, o endereço IP também pode ser bloqueado facilmente nos servidores dos provedores de serviço de internet. O uso de VPNs para mascarar o endereço IP original de um site é um método útil em países que restrigem sites com base no endereço IP.

Finalizar o fornecimento de site através de meios jurídicos também é um método disponível em países como a Índia. Porém, quando um site está fora do escopo de poder do governo de um país, ataques de DDoS também podem ser úteis para derrubar sites, como foi realizado com o grande canhão chinês.

Em alguns países, a filtragem de informação é fortemente influenciada pelo governo. A China é um grande exemplo de país que controla a internet. O grande firewall chinês é responsável por filtrar informação que pode ser visualizada dentro do país, com excessão de regiões como Hong Kong, Macao e Taiwan. Porém, em alguns países, o controle da internet vai mais além, desligando e tornando inacessível a internet. Kashmir, é uma região da Índia que ficou mais do que um ano sem acesso à internet.

O que significa desligar a internet?

Não é possível desligar toda a internet do mundo através de uma entidade centralizada. Desligar a internet do mundo seria como parar todos os rios que existem no mundo. O desligamento da internet em uma pequena área é possível dependendo da tecnologia da área, porém quanto maior a área de desligamento, mais difícil se torna essa tarefa.

O desligamento da internet em um país é algo impossível de ser realizado pelo fato de que hoje também existem outras opções de comunicação entre computadores como a telemática. A telemática usa tecnologias como satélite e antenas de transmissão para transportar informação sem o uso de meios físicos de transferência. Por isso, mesmo desligando a internet, os usuários ainda podem encontrar outras opções para se conectar com a internet.

Mesmo assim, alguns países já tentaram desligar a internet. Como foi o caso do Egito em 2011.

é possível desligar a internet

Desligamento da internet no Egito em 2011

O desligamento dos meios de transmissão no Egito ocorreu na primavera árabe que foi uma gigante manifestação antigovernamental que iniciou-se em 2010. A REST OF WORLD explica nessa postagem como foi feito o desligamento da internet que foi iniciado no dia 25 de janeiro de 2011. As primeiras tentativas de desligar a internet não deram certo, apenas 3 dias depois, dia 28 de janeiro de 2011 é que a transmissão da internet foi desligada. O desligamento durou por 5 dias, durando até o dia 2 de fevereiro.

O desligamento da internet foi feito através dos provedores de serviço de internet (ISP) e das operadoras de telefonia móvel. Obviamente, esse corte de internet não afetou apenas os manifestantes, prejudicando entidades importantes como bancos e empresas. Devido a ausência da internet, transações foram impossibilitadas. Muitas empresas também não conseguiam mais se comunicar com os clientes no exterior. Segundo a OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o prejuízo foi de aproximadamente 18 milhões de dólares.

Entretanto, o resultado não foi como esperado. Muitas pessoas encontraram outras opções de conexão como satélite ou internet de grandes empresas privadas. Enfim, o desligamento da internet no Egito não teve muito sucesso.

A prática de desligar a internet não é algo novo e já é aplicado em alguns locais. Kashmir é um local que já teve a internet desligada dezenas de vezes.

Por quê desligar a internet de um país?

A possibilidade de desligar a internet depende das leis e da independência de cada entidade de comunicação. Nos Estados Unidos, desligar a internet é uma tarefa praticamente impossível pelo fato de ter cerca de 1400 ISPs (Provedor de serviço de internet) e grande parte da estrutura de comunicação nas mãos dos cidadãos, como empresas privadas. Além disso, a constituição dos Estados Unidos é fortemente favorável a liberdade de expressão, dificultando meios legais de desligar a internet por questões políticas. Por outro lado, países como o Myanmar possuem apenas 4 ISPs, sendo que metade dos provedores tem forte ligação com o governo, o quê acaba facilitando a tentativa de desligar a internet.

O desligamento da internet em um país ou região traz grandes prejuízos. Por essa razão, desligar a internet é o último método que um governo irá querer tomar. Os grandes motivos para desligar a internet são questões políticas como confusão política, eleições e manifestações. Mesmo assim, a prática de cortar a internet tem sido um método cada vez mais utilizado em alguns países.

A regulação da internet em alguns países

Desligar a internet traz grandes prejuízos como aconteceu com o Egito na primavera árabe. Invés disso países como China e Rússia optaram por filtrar informação invés de desligar a internet. A China é famosa por regular a internet usando o grande firewall que é capaz de bloquear conteúdo indesejável dentro do território Chinês. A Rússia também tem adotado técnicas parecidas, porém, ao invés de desenvolver um sistema regulatório automatizado como a China, a Rússia optou por utilizar a tecnologia de DPI (Inspeção profunda de pacotes). O DPI filtra pacotes contendo conteúdo que o governo não permite.

Originalmente, a tecnologia de DPI é usada para detectar irregularidades na comunicação de computadores como espionagem ou adulteração de dados. Porém, a Rússia tem usado essa tecnologia por motivos políticos. Em 2019, o governo russo tornou obrigatório para os ISPs dentro do território russo a adoção de um DPI de autoria do governo com o intuito de “combater as ameaças da internet”, o TSPU. O TSPU exige que o uso de uma DPI do governo seja realizada em conjunto com um DPI de autoria do provedor de serviço de internet. Em resumo, cada ISP dentro da Rússia deve adotar o DPI do governo para regular conteúdo considerado restrito. Com isso, em março no ano de 2023, plataformas como Twitter, Facebook e Instagram foram bloqueados no país.

O que podemos aprender com esse artigo?

Desativar a internet em um país pode ser uma tarefa difícil em alguns países, mas não tanto em outros. Invés de desligar a internet, muitas países optam por filtrar informações baseando-se no conteúdo. Quando os provedores de serviço de internet de um país são fortemente ligados ao governo, mais fácil é regulamentar a internet de um país. Para evitar esse tipo de problema é importante que as entidades de comunicação sejam independentes.

Projetos práticos

Integrando o PHP com Elasticsearch no desenvolvimento de um sistema de busca

Projeto de criação de um sistema de busca usando o framework Symfony e Elasticsearch. A integração com Kibana também é feito de modo remoto com um raspberrypi.

Criando um sistema de integração contínua (CI/CD)

Fazendo a integração contínua de Jenkins, Sonatype Nexus, Sonatype, JUnit e Gradle para automatizar processos repetitivos. Prática bastante usada em tecnologias de DevOps.

Criando um sistema de mini garagem automatizada integrada com um sistema de monitoramento independente

Desenvolvimento de um sistema de monitoramento que exibi todos os eventos que acontecem na garagem automatizada, como abertura de portões ou ocupação de vagas.

Criando artes de texto usando imagens

Convertendo imagens para ascii art usando o valor da intensidade das cores cinzentas.

Usando dados fornecidos pelo TSE para simular o gráfico das eleições presidenciais de 2022

Simulação dos gráficos do segundo turno das eleições presidenciais, utilizando python e ferramentas de análise de dados, pandas e jupyter.

Veja também

A subclasse não deve estender a superclasse que não representa consistência em relação as suas características

No passado existiam girafas com pescoço comprido e as girafas com pescoço curto. Isso resultou em um comportamento inesperado, a seleção natural. Não queremos isso no nosso algoritmo...

Os robôs estão aprendendo por conta própria?

Já não é mais novidade saber que os robôs não precisam mais da orientação de um humano para aprender. Além disso, os robôs já superam os humanos em muitas áreas...

VPN Rede virtual privada

A VPN permite a transferência de dados de modo privado e seguro em uma rede pública sem a utilização de infraestrutura adicional.

LPWA Low Power Wide Area

LPWA é a abreviação de Low Power Wide Area. LPWA é um modo de comunicação wireless entre dispositivos. É principalmente utilizado em dispositivos IoT.

Endereço MAC

Usado como identificador em uma rede local. Possui 48bits e mais de 280 trilhões de variações que podem ser atribuídas aos dispositivos.

Internet profunda (Deep web)

Camada da internet onde sistemas de busca convencionais não conseguem acessar por diversos motivos, deixando de indexar o conteúdo.